Lewis Hamilton e Sebastian Vettel estão finalmente duelando diretamente pelo título, como se esperava que acontecesse já faz algum tempo. Pelo menos desde que, em 2015, eles viraram os dois pilotos com mais campeonatos do pelotão. Mesmo sem terem sido colegas de equipe e sem existir algo semelhante ao que tiveram Senna e Prost, o público se emociona ao ver os dois grandes lutando entre si pelo “número um”. Eles estão agora empatados, com 4 títulos cada.

Como se comparam com as lendas do passado?

Muitos fãs apontam que “falta algo” aos pilotos do presente para se compararem com os do passado, e que Hamilton e Vettel não mostraram o suficiente para serem comparados com Senna, Prost, Schumacher ou Fangio. Algo semelhante acontece no futebol, onde os fãs de Maradona consideram heresia falar que Cristiano Ronaldo ou Messi poderiam superar o lugar de El Pibe na história.

Mas o fato é que a Fórmula 1 sempre foi assim. A estabilidade dos regulamentos ajuda a que as mesmas equipes permaneçam no topo mais tempo que no passado, e isso ajudou Vettel e Hamilton. Repare: Senna beneficiou da superioridade da McLaren entre 1988 e 1991 para pegar 3 títulos em 4 possíveis. Prost fez algo semelhante, só falhando mesmo em 1984 e 1988.

Os melhores pilotos e as melhores equipes se procuram

O esporte profissional é assim mesmo. Senna e Prost procuraram as melhores equipes para poderem vencer, e Hamilton e Vettel vêm fazendo o mesmo. Já Fernando Alonso terá de se perguntar por que motivo as equipes vencedoras não pensam nele como opção…

Pilotos do presente que falharam

É difícil retirar mérito histórico a Hamilton e Vettel porque eles vêm triturando a oposição. Rosberg pegou uma oportunidade de vencer e foi embora. Raikkonen não consegue mais ser páreo para o jovem alemão. E Bottas, que vinha com grande CV, também vai seguindo como escudeiro. Acredite: Hamilton e Vettel merecem bem o lugar onde estão.