Terminou nesse mês de julho mais uma edição do Brasileiro de Kart, consagrando onze novos campeões nacionais nas mais diversas categorias. A prova foi dividida em duas fases, ambas disputadas no kartódromo paulista de Granja Viana, em finais de semana diferentes. O site do kartódromo destacou, em um artigo, o mais jovem campeão de todos: Enzo Vidmontiene, vencedor da categoria Mirim, destinada aos jovens de cerca de 8 anos.

A importância de começar bem cedo

A história do karting mostra que os grandes campeões se iniciam bem cedo na modalidade. Ayrton Senna foi um dos primeiros exemplos, começando a praticar regularmente aos 4 anos. O karting estava surgindo em força, no início da década de 1960, e os pilotos mais antigos que Senna nunca tiveram a possibilidade de se desenvolver nessa modalidade. Desde então, praticamente todos os pilotos de Fórmula 1 se iniciaram bem jovens. São os casos de Michael Schumacher (aos 4 anos), Fernando Alonso (3 anos) ou Lewis Hamilton (6 anos).

Outros esportes e atividades, como o futebol, a natação, a música ou até a representação (teatro, e mais tarde televisão ou cinema), provam como pode ser importante para um atleta começar praticando bem jovem.

Será esse o caminho da felicidade?

Muitos questionam se será razoável que uma criança comece exigindo tanto de si própria tão cedo em sua vida. Não seria melhor dar uma educação mais diversificada, menos focada no sucesso absoluto?

O mais importante será respeitar o caminho do jovem, pois tudo pode acontecer em seu caminho. Pode acontecer como Jaime Alguersuari e Esteban Tuero, pilotos que chegaram à F1 ainda antes dos 20 anos e que cedo se desencantaram com a profissão e cortaram com o automobilismo.

Mas também pode acontecer como Michael Schumacher, que pilotou desde os 4 anos, fez uma pausa aos 37… e depois voltou aos 40, pois só nas pistas se sentia realizado – e feliz – a nível profissional.